Os 5 principais erros na gestão de obras: Saiba como evitá-los!

A principal preocupação de um gestor deve ser concluir o seu projeto com êxito. Pensando nisso, o Obrasnet listou os 5 erros mais comuns na gestão de obras para você elaborar a sua “análise de falhas” e evitar possíveis danos ao seu projeto. Confira!

 

Falhas são praticamente inertes à atividade humana, disso nós já sabemos. Mas é claro que um bom planejamento de projetos e uma gestão eficaz, são fatores que reduzem a probabilidade de ocorrência de erros e otimiza soluções para possíveis imprevistos.

 

O processo descrito acima pode ser chamado de “análise de falhas” e possui relação direta com a avaliação de desempenho em obras e projetos (tema da última postagem do nosso blog, confira aqui). A análise de falhas é a atividade responsável por identificar os principais erros ou deslizes no seu projeto. 

 

Tais falhas podem ser de ordem; 

  • Material- relacionada aos insumos e maquinário utilizado nos etapas da obra;
  • Processual- questões de produtividade, gestão de equipes, afastamentos ou acidentes;
  • Administrativa- ou de gestão, erros orçamentários, gastos extras e etc. 

 

Agora que você já sabe a origem de alguns desses problemas, confira a seguir quais são os 5 principais erros na gestão de obras;

 

1- Ausência de um orçamento detalhado:

 

Ter o controle fiscal e contábil dos seus projetos é fundamental para evitar a escassez de recursos, gastos desnecessários e perdas financeiras no geral. Para chegar o mais próximo possível do que foi idealizado no planejamento, é imprescindível que você tenha todas as informações orçamentárias do seu projeto, reunidas em um só lugar. 

Na nossa ferramenta de gestão, por exemplo, os usuários podem planejar o orçamento detalhadamente, emitir relatórios financeiros, anexar documentações referentes à pagamentos e dívidas, acompanhar as métricas de realocação de recursos e acompanhar todo o fluxo de caixa da empresa. 

 

2- Descuido com cronogramas e prazos:

 

Atrasos e deslizes com prazos são os principais inimigos das boas práticas quando se trata de gestão de obras. Esses erros são diretamente proporcionais aos níveis de satisfação dos seus clientes e/ou colaboradores e a produtividade da equipe. Reúna e tenha em mãos todas as informações do cronograma de obras e “datas metas” de cada etapa do seu projeto. 

 

3- Medições Imprecisas; 

 

A boa realização de medições físicas pode salvar a sua obra! 

 

Medições imprecisas afetam todos os parâmetros estruturais desde o guia de execução (a planta do projeto) até o resultado final.

Avalie e reavalie, sempre que necessário, as medições do seu projeto a cada nova etapa e mantenha todos esses dados arquivados!

 

4- Erros de Comunicação; 

 

Nem só de números, máquinas e medições se faz uma obra de sucessos!

 

Uma boa comunicação entre as diversas equipes que compõem o seu projeto é fundamental para o desenvolvimento produtivo e execução bem feita do mesmo. Se você ainda não adotou uma ferramenta de gestão, saiba que uma das principais funcionalidades é agregar os seus colaboradores ao seu projeto, evitando os “ruídos” e erros na comunicação e promovendo a transparência na gestão. 

 

5- Não utilização de EPI’s; 

 

Parece  básico, mas é imprescindível relembrar a importância do uso de todos os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para cada trabalhador envolvido no desenvolvimento do seu projeto de construção civil. 

A não utilização do uso de EPI’s, se encaixa na categoria “processual” da análise de falhas, que tratamos no início deste artigo. O uso dos EPI’s pode evitar acidentes relacionados a manipulação de máquinas pesadas, substâncias químicas e/ou tóxicas e questões estruturais como suspensões à grandes alturas ou ângulos íngremes

 

Agora que você já sabe quais os erros mais comuns na gestão de obras, o próximo passo é verificar o andamento dos seus projetos com base no que te ensinamos e conferir os nossos outros conteúdos sobre gestão e boas práticas! 




Comente

Deixe seu comentário