O BIM será obrigatório, mas do que se trata?

Temer lança estratégia de Implantação do BIM no Brasil, o que muda? A sigla se trata de uma abreviação para 'Building Information Modeling', ou em português, Modelagem de Informação de Construção. Um modelo de gestão que garante a redução de custos e o combate à pratica de recorrentes aditivos na construção civil.

Uma das primeiras instituições públicas no país a utilizar a tecnologia foi o Exército e segundo o jornal Valor Econômico, apenas 5% das empresas utilizam o BIM. No exterior, países como Holanda, Reino Unido, Dinamarca, Noruega, Finlândia e Estados Unidos da América já exigem o uso do BIM para projetos custeados pelo governo.

Para entender o BIM, deve se ter noção de que ele começa a partir de um modelo 3D do edifício. Esse modelo, contudo, se refere à muito mais do que uma representação gráfica bem feita com texturas e geometria. Ele constitui todo o equivalente real das seções utilizadas para a construção desse edifício. O que permite observar toda a simulação desse e seu comportamento antes mesmo de sua construção. Através do BIM podem ser vendidas alternativas de design para a construção onde as modificações são realizadas também nas plantas, seções e elevações, o que facilita o processo de documentação.

O BIM ainda comporta as informações das demais áreas da construção, tais como a sustentabilidade e informações que não recebem representações visuais, tais como cronograma com coordenação de fatores, quantidade necessária de funcionários, estimativa de valor do projeto em quaisquer de suas etapas e etc.

Em resumo, o BIM permite uma visão totalmente detalhada da construção e seus dados podem ser usados durante toda a vida da obra.

Comente

Deixe seu comentário